13/08/2022

Clique aqui para ler a coluna Responsabilidade Social e Ética, o artigo Vestir azul, por Lucila Cano.

 



Antonio Augusto Amaral de Carvalho
O rádio, esta incrível invenção de um brasileiro, o padre gaúcho Landell de Moura, sempre exerceu facínio sobre o povo deste país, que na sua essência é criativo, alegre e comunicacriativo. Com o menino Tuta não foi diferente: o rádio entrou em sua vida desde no ano em que nasceu, 1931, quando seu pai e mais dois amigos, adquiriram a Rádio Record. Começava ali a saga da família Machado de Carvalho, uma história que se confunde com a própria história da Comunicação no Brasil.
Antonio Augusto Amaral de Carvalho, hoje carinhosamente chamado por amigos e funcionários de Seo Tuta, nasceu no dia 28 de abril de 1931, filho de Maria Luiza Amaral de Carvalho e de Paulo Machado de Carvalho, o Marechal da Vitória, como ficou conhecido depois de chefiar a delegação brasileira em duas Copas do Mundo: a de 1958 e a de 1962, quando o Brasil sagrou-se campeão. Já proprietário da Rádio Record, o Dr. Paulo adquire, em novembro de 1944, a recém inaugurada Radio Panamericana, emissora que recebera sua carta de outorga dois anos antes, quando efetivamente passou a existir.
O jovem Tuta, começou a trabalhar na Panamericana em 1949, comandando o programa 5 a Avenida. Naquele tempo a proramação da rádio era predominantemente esportiva, tanto que seu slogan era: Radio Panamericana, a Emissora dos Esportes. Sua jovem equipe fazia por justificar essa fama e em 1950, durante a Copa do Mundo, com Pedro Luiz, fez uma das grandes transmissões do rádio daquela época.
Sempre movida por desafios, em 1953 a família Machado de Carvalho parte para mais um ousado projeto e inaugura a TV Record. Embalada pelo entusiamo de modernidade do Brasil de Juscelino Kubitscheck, a TV Record foi construída por uma equipe igualmente jovem que, apesar do pouco conhecimento técnico, tinha ao seu favor o entusiamo, a ousadia e a criatividade, ingredientes responsaveis por torná-la uma das referências na história da televisão brasileira. "Eu comecei a trabalhar na Record em julho de 1953, e aí eu fui aprender televisão, porque eu não sabia nada", relembra Tuta. Para afinar a sua jovem equipe diante daquele novo e grande desafio, a Record iniciou um curso, em junho de 53, no qual eram passadas noções de câmera, luz, som, direção de TV entre outros conhecimentos, atendendo a um objetivo traçado por Paulo Machado de Carvalho: o de ter uma geração nova, pronta para inaugurar a TV Record em setembro daquele ano. Tuta aprendeu e inovou. As transmissões de futebol, uma tradição nos empreendimentos de comunicação da família Machado de Carvalho, levaram para as telas dos televisores, um jeito novo, uma nova linguagem, que em pouco tempo passaram a ser seguidos por outras emissoras do País.
Foi no palco do Teatro Record, da Rua da Consolação, que nasceram os festivais que mudaram a face da música popular brasileira; que foram apresentados os especiais que projetaram nomes como o de Elis Regina, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Chico Buarque de Holanda, Nara Leão, Wilson Simonal, Roberto Carlos, entre outros. Foi deste memo palco que o humor de Grande Otelo, Ronald Golias, Manoel da Nóbrega, Jô Soares, Renato Corte Real, Renata Fronzi e Cidinha Campos, divertiram os lares brasileiros. Espetáculos memoráveis como o Show do Dia 7, Troféu Roquete Pinto, Esta Noite se Improvisa, e os encontros dominicais com a Dama da TV Brasileira, Hebe Camargo, levaram não somente a assinatura da Record, mas tiveram a participação direta de Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta.
Em 1973, ele retorna à Rádio Panamericana, que logo é rebatizada de Jovem Pan e se consolida como uma das mais respeitáveis emisoras de jornalismo no Brasil. Ética, seriedade, responsabilidade e a garantia de prioridade na cobertura dos principais fatos do dia, se tornam a marca registrada da Jovem Pan que colocou em nosso cotidiano a novidade do "Homem do Tempo" e a cobertura do trânsito por helicóptero, que inovou e ousou em ações de cidadania como a Campanha Jovem Pan Pela Vida, que busca conscientizar jovens estudantes para os riscos do uso de drogas.
Ousadia, sucesso e empreendedorismo sempre estiveram presentes na trajetória de Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta, que registrou esses momentos em um best seller que presta uma homenagem àqueles que ao seu lado, vivenciaram esta maravilhosa experiência de vida: o livro Ninguém Faz Sucesso Sozinho. A obra, ganhou nova dimensão e foi transformada em programa de rádio, feito por Tuta em parceria com seu amigo e produtor, Nilton Travesso. Em pouco tempo, Dois Diretores em Cena, transmitido pelas ondas da Jovem Pan, tornou-se um sucesso aplaudido pelo publico e pela crítica, recebendo inúmeros prêmios, entre eles o da Associação Paulista dos Críticos de Arte.
E neste ano, em que a Jovem Pan, a rádio do Seo Tuta, completa 70 anos de atividades, os profissionais da Comunicação Corporativa, por meio da Mega Brasil, concedem a Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Prêmio Personalidade da Comunicação 2012, em reconhecimento ao conjunto de sua obra, à sua competência, exemplo de dedicação, seriedade e responsabilidade no trato da informação.

Busca