13/08/2022

Clique aqui para ler a coluna Responsabilidade Social e Ética, o artigo Vestir azul, por Lucila Cano.

 



Gaudêncio Torquato

A Comunicação Empresarial Brasileira está posicionada entre as mais conceituadas do mundo. Quem exerce atividade nessa área desfruta hoje de prestígio profissional, social e econômico. Seriedade, ética, técnica, criatividade e compromisso com a verdade pontuam as atitudes e comportamentos dos comunicadores. Grande parte desta conquista é creditada a pessoas como Gaudêncio Torquato, mestre de vários profissionais de destaque e pioneiro no setor de assessoria de consultoria às empresas e instituições.
Torquato é um dos mais completos comunicadores do Brasil. Mantém com regularidade a coluna sobre comunicação publicada em 60 jornais brasileiros. No campo conceitual, te, ajudado a traçar o perfil de um profissional cada vez mais integrado com os novos desafios de uma comunicação que se renova a cada dia, sempre instigante, sempre desafiadora.
No início de sua trajetória, ele veio do Rio Grande do Norte para São Paulo, a cidade mais nordestina do País, onde encontrou a ressonância necessária para que seu talento fosse reconhecido no País inteiro. Doutor em comunicação – o primeiro da América Latina, conferido pela Universidade de São Paulo-, escreveu os primeiros trabalhos sobre Comunicação Empresarial, sendo autor de sete livros de sucesso nessa área.
Foi o editor dos Cadernos Proal, o primeiro veículo brasileiro totalmente dedicado à Comunicação Empresarial, produzido pela Proal, empresa que dirigiu e que foi precursora de prestação de serviços na área de jornalismo empresarial, chegando a produzir 40 publicações simultâneas.
Nos anos de magistério, lecionou na Graduação e na Pós- Graduação da Universidade de São Paulo, da Faculdade Cásper Líbero, do Instituto Metodista de Ensino Superior, das antigas Faculdades Alcântara Machado e, até recentemente, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Nas atividades jornalísticas, Torquato trabalhou no Jornal do Commercio (Recife), Correio da Manhã (Rio de Janeiro), Folha de São Paulo e Jornal do Brasil. É desse período o Esso de Jornalismo que ganhou, ainda muito jovem, aos 23 anos de idade.
Atualmente, Torquato dirige a GT Marketing e é colunista do Jornal O Estado de São Paulo, além de consultor de empresas e governos.
E por sua trajetória pessoal e profissional, pelas realizações concretizadas ao longo da carreira, pela permanente contribuição à causa da Comunicação Empresarial, é que em da comunidade da Comunicação a Mega Brasil confere o Prêmio Personalidade da Comunicação 2003, na Categoria Empresarial, ao professor Gaudêncio Torquato.


Mino Carta
Jornalismo é arte. Não é uma arte maior ou menor. É arte e ponto. Esse é o pensamento de Mino Carta. Poucos como ele têm conseguido fazer do jornalismo a arte de transformar informação em notícia de real interesse público.
Sempre polêmico e corajoso, Mino tem sido personagem de seu tempo com obras que perpetuam no cenário do jornalismo brasileiro.
Nascido em Gênova, na Itália, ele teve o Brasil como pátria desde que aqui esteve cobrindo a Copa do Mundo de Futebol, em 1950, como correspondente do Jornal Il Messagero, de Roma – acontecimento inesquecível para ele e, obviamente, de tristes recordações para todos nós.
De lá para cá, escreveu várias publicações e, quando se escreve sobre jornalismo, é impossível não cita sua importância.
De seu talento, determinação, criatividade e suor nasceram alguns dos mais importantes órgãos, de imprensa do País que continuam aí, firmes e fortes, a testemunhar sua magnífica contribuição ao Brasil, ao povo brasileiro e aos colegas de jornalismo que aprenderam a admira-lo e a respeita-lo. Foram várias, em vários campos, e quase todas atingiram o auge exatamente quando Mino esteve no comando, com sua inquietação, voluntarismo e coragem.
Nesses 53 anos que se passaram desde a estréia, em 1950, são de sua lavra criações como a revista Quatro Rodas, o Jornal da Tarde, as revistas Veja, IstoÉ e Senhor, o Jornal da República e seu mais recente sucesso, a revista Carta Capital, que se encontra entre as publicações de maior credibilidade do Pais, e é por ele dirigida desde o lançamento.
Mino também dedica-se às artes plásticas e recentemente lançou O Castelo de Âmbar, livro de texto esmerado em que revisita importantes da História do País, a partir de sua própria História pessoal e profissional.
Vivendo o presente, de olho no futuro, Mino Carta sempre mostrou-se um profissional à frente de seu tempo. Por isso fez e continua a fazer História, legando aos seus contemporâneos e às futuras gerações um exemplo de dignidade, coragem e determinação.
E por sua trajetória pessoal e profissional, pelas realizações concretizadas ao longo da carreira, pela permanente defesa da Liberdade de Imprensa e da Democracia, é que em nome da comunidade da Comunicação a Mega Brasil confere o Prêmio da Comunicação 2003, na Categoria Imprensa, ao jornalista Mino Carta.
Busca